Diário, diário meu...

Diário, diário meu...

Total de visualizações de página

terça-feira, 12 de novembro de 2013

segunda-feira, 11 de novembro de 2013



CHUVA/CHORO

Pingos de chuva escorrem
pela vidraça da minha sacada.
Lágrimas escorrem
pelo meu rosto...
Não,
não vou dizer que chove lá
e que chove aqui!
Quem sabe:
lágrimas aqui dentro
e mais lágrimas lá fora.
Por que não?
Por que não chora o tempo?
Não pode chorar a vida?
O mundo não chora?
Não seriam as lágrimas
de um planeta em convulsão?
Lágrimas da vida!
Pelos desastres
Pelas violências
Poluição
Desonestidades
Mágoas
Mortes
Tragédias
Desamores...
Tanto choro e tristeza
que a vida desabaria em lágrimas e mais lágrimas.
E
algumas pessoas
como eu
lacrimejantes
para acompanhar a chuva/choro
também choramos...
nos derramamos...
E assim
como o céu vai chorando,
lavando, limpando,
e clareando
vai nossa alma
se aliviando
se expurgando
acalmando...
até
respirar fundo
sem barreiras
livre
e leve!

11/11/2013
14h26min

domingo, 18 de agosto de 2013

sexta-feira, 26 de julho de 2013



ATÉ QUANDO?

Às vezes penso que certas coisas, ou todas, até,
não se extinguem.
Por mais que se queira, não se apagam.
Ficam como um fogo em brasas,
latente...
Basta um leve sopro,
uma breve remexida, bem de mansinho...
pra que se reaviva
e arda...
E como arde!
Como queima!
Qual a primeira vez
Qual a primeira dor
Como no princípio...
Por que esta maldita dor não se apaga?
Por que me atormenta?
de tempos em tempos
qual maldição que me açoita
que me castiga sem dó!
Dolorida lembrança
de um passado que teima,
que persiste
em ser presente
Que me maltrata
me rói, corrói,
doendo, doendo...
Até quando?
Até quando, dor?
Até quando?

09/07/2013
23h35min

segunda-feira, 11 de março de 2013



FASES/FACES

Quantas faces possui determinada situação?
Sei das faces de figuras geométricas...
E quanto às faces de um problema?
Problema lembra Matemática
E eu nunca fui boa nessa matéria...
Será por isto que eles (os problemas) vêm em fases?
Mostrando aos poucos suas faces?
Para que eu as decifre?
Para que eu assimile pouco a pouco?
Já que inteiro, de uma só vez, poderia eu, nele, perder-me?
Seria um problema tão complexo,
assombroso,
que eu não veria a solução?
Talvez...
Por isso,
em cada fase
uma face...
digerindo,
dissolvendo,
o que
de um só golpe
me sufocaria.
Sem dó!
E quando me aquieto
(embora uma quietude expectante)
sabe o destino (sorrateiro)
que pronta (?) estou
para nova onda,
fase,
me surpreender...
Mais uma das faces que se apresenta,
de tantas
que a vida tem...
E vamos lá!

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Assim...




ASSIM...

Então, assim é a vida?
Assim, os relacionamentos?
Mas que relações?
Que vidas?
Somos todos crianças carentes
em busca de quem nos acolha.
Só que nem todos percebem isso.
Uma massa insana busca o prazer momentâneo,
o gozo a qualquer preço, relações frenéticas e desenfreadas
Ignorando os sentimentos mais nobres,
como se estes fossem ilusão,
perda de tempo ou... nada mesmo...
Não sabem, porém, o quão vazias são suas próprias vidas...
Outra parte busca o sentimento de alma, o amor.
Mas não sabe onde nem como encontrar!
Outros, igualmente perdidos,
desiludiram-se,
e fecharam-se de corpo e alma para o mundo.
Secaram...
Alguns mantêm, ainda, a esperança,
bendita esperança que aviva o ser,
que o faz crer que um dia, quem sabe,
possa topar com o amor por aí,
em qualquer esquina...
Felizmente, há os que já se acharam.
e apesar das agruras da vida,
compreendem e levam adiante
a fé no sentimento maior que os une.
E assim é
E assim tem sido
Entre achados e perdidos
Entre encontros e desencontros
despertos e adormecidos
sensíveis e embrutecidos...
A vida
As relações
Não cessam
Apesar de tudo
Tudo pulsa
Tudo segue
Tudo
um dia
acha seu rumo
seu prumo...